Contactar
BLOG

Artigos em destaque

Aprender inglês desde bebés

Ana Almeida

Em grande ritmo para aprender Inglês desde Bebés !

Ana Almeida

Crianças bilingues – Mitos e verdades

Ana Almeida

Os benefícios da Música nos Bebés e Crianças

Timeout Lisboa Edição nº175

Kindermusik na Time Out Lisboa

Em grande ritmo para aprender Inglês desde Bebés !

Ana Almeida

A música é um recurso fantástico para envolver as crianças nas aprendizagens e no desenvolvimento das suas competências globais.

Tendo presente os inúmeros benefícios da música no desenvolvimento infantil, e tendo consciente como esta ferramenta é poderosa, ao nível do desenvolvimento da linguagem e da alfabetização precoce, as nossas aulas são momentos de aprendizagem intensa, no entanto, lúdicas, descontraídas e muito divertidas. E não é assim que nos predispomos a prender? De forma motivada e feliz?

Nos primeiros anos de vida, o desenvolvimento cognitivo das crianças dispara. As ligações no cérebro das crianças são formadas a partir do envolvimento de novas experiências e atividades multissensoriais repetitivas, fortalecendo assim essas ligações, sendo este o motivo pelo qual a investigação aponta que este é o período decisivo para a aprendizagem de outra língua.

Sendo assim, antes de os oito anos de idade, as crianças que aprendem outra língua são mais propensas a falar essa língua como um nativo. De fato, crianças que aprendem a falar outra língua como o Inglês, como segunda língua, modificam o cérebro e também fortalecem as competências da linguagem materna, contrariando um mito já desmascarado.

No nosso Studio, desde bebé, que a criança poderá beneficiar de uma aprendizagem cuidada, rigorosa, de qualidade, participando nos nossos currículos bilingues, que utilizam intencionalmente a música e o movimento.

Porque as Atividades musicais envolvem todos os sentidos e estimulam o desenvolvimento em todas as áreas do cérebro. Independentemente da primeira língua de uma criança, cada criança fala musicalmente e a investigação mostra isso de forma positiva. A aprendizagem tem um impacto na língua inglesa, incluindo-os de três maneiras:

  1. A música estimula a aprendizagem de línguas, constrói a consciência fonológica e aumenta as competências linguísticas.

  2. As crianças que aprendem através do movimento revelam uma melhoria nítida na memória.

  3. É divertido! (Nunca subestime o poder de diversão e da música quando se trata de envolver as crianças!

Crianças bilingues – Mitos e verdades

Ana Almeida

Lecionar currículos em Inglês e proporcionar às crianças a oportunidade de iniciarem aprendizagens bilingues precoces, é um desafio não só como profissional, mas como mãe.

Como mãe, não poderia estar mais feliz com a aposta pedagógica que proporciono, e a oportunidade de introduzir o meu filho ao Inglês desde que nasceu!

Com 6 semanas de idade, o meu bebé participava nas aulas Kindermusik que leciono para bebés. Muito cedo começou a identificar imagens indicadas em Inglês e em Português e a reproduzir pequenas instruções dadas em Inglês, como por exemplo: “blink your eyes”, “touch your nose”, entre outras. Muitas vezes utiliza palavras em Inglês para descrever o seu pensamento e agora que tem 3 anos, é muito frequente encontra-lo a falar em Inglês de forma espontânea, com os seus brinquedos durante os seus momentos de brincadeira livre.

Como profissional, tenho a oportunidade de ver crianças de tenra idade envolverem-se em aprendizagens que saem do que é convencional e esperado…

Compreender conteúdos em Inglês e manifestar conforto face à língua e ao discurso utilizado, ser capaz de passar da compreensão da palavra, à sua utilização complexa! Simplesmente…. ADORO, ou para utilizar uma expressão de acordo com o meu dia-a-dia, “I JUST LOVE IT!”

No entanto, deparo-me com desafios que se prendem sobretudo com mitos que envolvem o ensino bilingue, e não só profissionalmente, mas mesmo como mãe, quando alguns amigos me questionam do porquê inserir o meu filho a estas aprendizagens.

Alguns dos mitos mais comuns são:

  • Se ainda não fala em Português, para quê falar Inglês?

“The sooner, the better!” Esta é sem dúvida a resposta! Quanto mais cedo a criança estiver envolvida na aprendizagem da segunda língua, mais natural será para ela compreender e falar essa língua. Outro benefício de introduzir precocemente a criança a outras línguas, é que se está a abrir horizontes à criança, a permitir que tenha contacto com outros códigos linguísticos, culturas e acima de tudo, a proporcionar vivências numa sociedade cada vez mais globalizada.

  • Será que as crianças bilingues começam a falar mais tarde do que as crianças que aprendem apenas uma língua?

Não existe evidência científica que comprove esta afirmação, mas é natural que a criança demore um pouco mais a processar dois códigos linguísticos. No entanto, a criança que está a viver em ambiente bilingue, tem oportunidade de ter um desenvolvimento cognitivo maior, conforme vários estudos comprovam, além do que aumenta a sua capacidade de processamento da linguagem.

  • Será que as crianças bilingues têm mais dificuldade de aprendizagem escolar face às crianças que dominam apenas uma língua?

Antes pelo contrário, as crianças bilingues têm um processo de aprendizagem mais desenvolvido do que as crianças que falam apenas uma língua, pois quando a criança escuta e processa mais do que uma língua em simultâneo, está a desenvolver áreas do cérebro que não seriam trabalhadas se só pensar e falar numa língua.

  • As crianças aprendem línguas porque são “esponjas”!

As crianças têm a capacidade de apreender os códigos linguísticos e as estatísticas dos sons das várias linguagens a partir dos 8 meses de idade, ao passo que os adultos têm uma cultura de ouvintes, o que torna mais difícil a aprendizagem de novas línguas.

Certamente, estes mitos são reflexo daquilo que os adultos sentem face às aprendizagens e, inevitavelmente projetam para os bebés que aprender mais do que uma língua possa ser extremamente difícil e que possa ser algo confuso para o seu cérebro e desenvolvimento cognitivo e linguístico.

Certamente, estes mitos são reflexo daquilo que os adultos sentem face às aprendizagens e, inevitavelmente projetam para os bebés que aprender mais do que uma língua possa ser extremamente difícil e que possa ser algo confuso para o seu cérebro e desenvolvimento cognitivo e linguístico.

Nas aulas que leciono, o Inglês é ensinado de forma lúdica e emocionalmente envolvente.

As crianças despertam para o novo código linguístico “in such an easy way!

Músicas, canções, danças de roda, exploração de instrumentos musicais, exploração de brinquedos, histórias, rimas, jogos e muito mais, fazem de cada aula, um momento de enriquecimento pedagógico e que, intencionalmente, estrutura o cérebro do bebé e das crianças, num desenvolvimento global e harmonioso.

You just have to come and find the perfect class for your child’s age!


Os benefícios da Música nos Bebés e Crianças

Ana Almeida

Os benefícios que a atividade de música promove nos bebés e crianças:

1. Dançar, balançar ao som e ritmo musical favorecem o sistema vestibular da criança, ou seja, é o sistema responsável por auxiliar o cérebro a entender a gravidade, a adquirir equilíbrio e a desenvolver a consciência espacial.

2. O “steady beat” ajuda a criança a adquirir capacidade de caminhar sem esforço, falar expressivamente, ler com fluidez e regular movimentos repetidos.

3. A utilização de instrumentos musicais promove o desenvolvimento das competências psicomotoras finas, ou seja, o movimento de segurar utilizando os dedos polegar e indicador vão permitir uma futura utilização correta do lápis, da caneta, da tesoura…

4. Jogos de vocalização colocam os bebés em contacto com sons da língua utilizada e ensinam-lhes a estrutura da comunicação verbal.

5. A música desenvolve habilidades de escuta discriminatória dos bebés, através da audição de sons de vários instrumentos e de vozes que cantam. A capacidade de detetar e distinguir sons, colocam os bebés no caminho dereceção e aperfeiçoamento da linguagem.

6. Dançar e movimentar-se com música proporciona ao bebé e à criança adquirir consciência espacial, coordenação óculo-manual e coordenação visual, que é um processo fundamental para a escrita e leitura.

7. Participar em atividades musicais em grupo favorece o desenvolvimento social e emocional da criança, pois quando cantamos, batemos palmas, saltamos ou dançamos com os bebés em grupo, proporcionamos experiênciasfacilitadoras do vínculo socio-emocional.

8. Ouvir música suave ajuda a criança a relaxar.

9. Incorporar a palavra com o movimento aumenta a compreensão da criança, sobre o conceito introduzido, mesmo antes que o bebé possa falar.

10. Os benefícios da música são tão grandiosos, como permitirem que o cérebro da criança processe e retenha mais facilmente a informação, saiba regular o comportamento e fazer as suas escolhas, saiba resolver problemas, planear e adaptar- se às novas exigências intelectuais.

Kindermusik na Time Out Lisboa

Timeout Lisboa Edição nº175

Trata-se de um método americano para aprender música e inglês. Catarina Figueira acredita que se a Matemática se aprendesse assim ninguém chumbava.

“Shall we begin?” Os alunos acenam à professora que sim com a cabeça. Não, não estamos perante uma aula de inglês para meninos do 1.º ciclo inventada pelo engenheiro Sócrates. Os alunos da professora Ana Almeida têm 3, 4, 5 anos e já conseguem proferir algumas palavras na língua de Sua Majestade.

O método é americano e existe há 30 anos. Junta no mesmo programa aulas de música e de inglês e é recomendado para crianças a partir dos seis meses. Sim, leu bem. Os seguidores do Kindermusik (é este o nome do método) acreditam que mal os bebés começam a ter alguma postura corporal é possível obter resultados e a vários níveis: desenvolvimento motor e cognitivo, literacia, concentração, memória e confiança.

Se a Matemática se aprendesse assim, a fobia que muitos miúdos têm aos números tinha de certeza os dias contados. Nas aulas Kindermusik eles cantam, dançam, tocam instrumentos musicais, ouvem histórias e, ao mesmo tempo, estão a aprender música e a falar inglês.

As aulas de Ana Almeida, uma das formadoras portuguesas acreditadas, começam sempre com a música do “Hello”. A professora acena e repete a palavra de saudação várias vezes, não porque seja gaga mas porque a repetição é uma das chaves deste método de ensino. A aula tem em regra 45 minutos, mas quase não há tempo para respirar. Atrás das costas, Ana tem um monte de cestinhos com várias actividades e objectos, que vai encadeando uns nos outros para que eles nunca se aborreçam ou desliguem.

“Trinnn, trinnn, are you listening the phone?”. Numa roda, cada criança pega no telefone à vez e repete “Hello, hello, hello?”. Quando desligam o aparelho de fingir tentam reproduzir o som do telefone nos ferrinhos.

A interacção seguinte mete-os a todos (aos pais também) a dançar uma coreografia onde vão ter de fazer várias coisas, como “switch all day”, “move fastforward” ou “turn around”. Não tema fazer figuras tristes quando se vir a driblar um lenço esvoaçante “like basketball” porque segundo os seus seguidores a relação das criaturas com os progenitores também melhora com esta metodologia.

A aula termina com “hugs”, “kisses” e vários “bye-bye”. Às vezes as famílias levam TPC porque muitos destes exercícios podem e devem ser repetidos em casa. Nem que seja puxar o pequeno para o colo e ler-lhe a história do “frog” e do “duck” com ele ali sossegadinho. É música para os ouvidos. De preferência, em inglês.